What Is Self-Service Business Intelligence Software?

self service business intelligence

Business intelligence (BI) software is a data analysis system that allows users to access, analyse and share information about their business. In turn, they can use performance metrics to make important business decisions every day. But where does self-service business intelligence software come into play?

self service business intelligence

With self-service BI tools, users don’t need to be a data scientist to operate it. On a daily basis, business users can:

  1. Define parameters
  2. Analyse data
  3. Generate reports.

Without self-service analytics programs, companies must depend entirely on data professionals to interpret and extract information on their behalf. However,  with a BI tool, companies can simplify and speed up this process. 

According to Gartner, data analysis will move further toward the forefront of transformational business strategies for 90% of companies in the coming years.

What is the difference between traditional BI and self-service BI?

The difference between traditional BI and self-service BI is that the latter offers democratised access and usability of the tool. 

When traditional BI tools appeared on the market, they required a complex IT structure—in addition to high maintenance costs and the need to invest in specialised workers. Not all companies have the resources for this structure. As a consequence, this meant the systems were mostly limited to large companies and multinationals.

With the emergence of self-service BI software, more small and medium-sized businesses can benefit from business intelligence. Partly, this is because of the simplified interface, ease of deployment, and a lower cost to adopt the software.

To break it down further, here are the main pros and cons of using a self-service BI tool:

pros and cons of self-service BI
Self-service BI tool pros and cons.

What are the advantages of adopting self-service BI? 

The advantages of self-service BI is the ease of accessibility for any user to take the platform and start using the data according to their needs. With the system, users can filter, analyse and extract data with its accompanying insights and learnings, without depending on specialists.

Here’s a self-service bi example within a typical business today: A  marketing team could use it to track new leads, including where they came from, and use this data to define future lead nurturing strategies. This planning can happen with the speed required to keep up with the fast-paced marketing industry, without having to wait on other departments to chip in.

Lastly, these tools are cloud-based so users can access information from anywhere. This is useful for remote teams, or those not based in a company office. Not only does it allow companies to be more flexible and productive, but it also helps them to save on infrastructure costs.

What are the limitations of self-service BI? 

Like all technology, self-service BI software doesn’t come without its limitations. But the good news is that most of these are not associated with the performance of the tool itself, but rather with the tool being misused. 

Common pitfalls & how to avoid them:

Below are the main pitfalls to be aware of:

Lack of planning

First and foremost, if you are implementing a BI tool, you should have a clear purpose or strategy for its use. This is so you have a clear direction when requesting and analysing data, and can use the data most advantageously for your business. 

In a context in which you may not yet have a clear strategy established,  you’ll likely accumulate a lot of reports that say the same thing. Often, this is difficult to spot because the reports look different by showing varied visuals and graphs, for example. However, the information is essentially the same, which risks confusion when interpreting the information and hinder productivity.

Lack of internal organisation

While a key benefit of the software is its usability ease, companies need to ensure they keep the system organised for any new users that join. This avoids any confusion if, for instance, someone departs the company and leaves a series of reports which aren’t clear to the team inheriting them. 

By keeping the tool well configured, companies also control which content is public or private This provides an important information security measure to help avoid the sharing or misuse of confidential data.

Lack of update

Updating the tool frequently helps with the accuracy of the data. If regular checks aren’t carried out, the software may emit erroneous data. The day-to-day running of the software doesn’t require heavy involvement from the IT team, but they should check in every so often to ensure the tool is still performing as they want it to.

Examples of self-service BI tools for you to consider for your company

Below is a selection of the best self-service BI tools for a range of expertise—we’ve included a full methodology of how we chose these tools at the bottom of this article.

1. Power BI

Power BI screenshot
User dashboard showing Power BI’s interface [Source]
Power BI is a tool from Microsoft which provides interactive visualisation and analytics features. It doesn’t require deep knowledge in BI, making it suitable for a range of professionals needing access to business data. Microsoft regularly provides optimisations thanks to the feedback it receives in the market, offering new features that meet the ongoing demands of businesses.

2. Tableau

Tableau screenshot
Types of data shown in Tableau’s dashboard [Source]
Tableau’s key advantage is its visualisation of data, regardless of the type and format of this information. The tool is compatible with most forms of data and offers the possibility to connect with large volumes of information for bigger requests.

3. OriginPro

OriginPro screenshot
Data display of OriginPro [Source]
OriginPro provides users with the flexibility to create graphics and a wide range of size, resolution and format options to display data. Users of the platform say it is easy to use because it has a  straightforward interface. 

4. SiSense

Sisense screenshot
Sisense interface displaying performance metrics [Source]
Users of SiSense say the platform is simple and easy to use, especially for those who are not data experts. As well as this, users highly rate the platform’s customer support service.

Looking for a BI tool? Check out our catalogue.

Methodology for the tool list

The tools selected for this article had to have an overall rating of at least 4.5 /5. They also required more than 100 user ratings in the Capterra directory. Also, the tools could not have a rating lower than 4/5 in the below requirements: 

  • Practicality
  • Customer service
  • Resources and quality
  • Price ratio.

Meios de pagamento online: código QR é o preferido de 19% dos consumidores

meios de pagamento online

meios de pagamento online

Um de cada cinco consumidores brasileiros aponta o código QR como uma das suas três formas preferidas de pagamento na hora de fazer compras online. 

O dado integra pesquisa feita pelo Capterra sobre o comportamento online dos compradores após o início da crise do coronavírus (confira a metodologia completa no final do texto). Os dados fazem parte de uma série de conteúdos sobre como empresas e consumidores estão reagindo às mudanças trazidas pelo Covid-19, que passa pela adoção de novas tecnologias, como softwares para o trabalho remoto e de videoconferência, e por mudanças na maneira de consumir.  

A aposta por novos meios de pagamento online veio acompanhada de um forte crescimento das compras recorrentes pela internet devido à pandemia. Segundo o estudo, dobrou o número de consumidores que afirmam fazer de 6 a 10 compras online por mês na comparação do período pré-crise com o atual, de 9% a 19%, respectivamente (veja gráfico abaixo). Por outro lado, a quantidade daqueles que afirmam fazer somente de uma a duas compras por mês teve queda de 37%.

meios de pagamento compras mês

E a mudança parece ter vindo para ficar: 53% dos entrevistados afirmam que mudaram definitivamente seus hábitos de consumo e farão mais compras em lojas online a partir de agora.

O que é o código QR?

O código QR é um código de barras que pode ser lido por diversos dispositivos, entre eles celulares com câmeras. Para fazer pagamentos, o usuário deve apontar a câmera para o código gerado pela maquininha ou na tela de um dispositivo e finalizar a transação.

Pagamentos online: Paypal divide liderança com cartão

Não são apenas os novos meios de pagamento online, como o código QR, que ganham a atenção dos clientes virtuais na nova era pós-pandemia: outros que já levam muitos anos no mercado se consolidaram. É o caso da carteira digital Paypal, criada há mais de 20 anos (veja box abaixo), e que, segundo a pesquisa, é a forma de pagamento favorita da maioria dos entrevistados (43%), ao lado do cartão de crédito à vista. Ambos são seguidos pelo cartão de crédito parcelado (41%), cartão de débito (32%) e boleto bancário (23%).

meios de pagamento online mais utilizados

Com atuação desde 2000 no mercado de meios de pagamento online, o Paypal vive desde o início da crise do coronavírus um período de quebra de recordes: somente no segundo trimestre, movimentou US$ 222 bilhões (cerca de R$ 1,2 trilhões ), ultrapassou pela primeira vez os US$ 5 bilhões (cerca de R$ 27 bilhões) de receita em um único trimestre e abriu 28,3 milhões de novas contas, número maior que o de novos clientes no ano de 2016.
Como mostram os dados do gráfico, o boleto, criado em 1993 e por muito tempo escolhido como opção de pagamento daqueles que não tinham ou não queriam usar o cartão, agora compete com novidades como o código QR e as carteiras digitais para celular.  

Esta mudança de paradigma obriga os negócios a estarem preparados. Segundo o estudo do Capterra, 35% dos consumidores online buscam outro e-commerce caso a loja em que estejam comprando um produto não aceite seu método de pagamento preferido.

Confira abaixo algumas dicas para o seu negócio não ficar para trás. 

Meios de pagamento online: negócios precisam estar preparados

Em uma panorama de crescimento do comércio online e de expansão das novas formas de pagamento, como mostra a pesquisa, os comerciantes precisam equipar seus negócios online com as ferramentas necessárias para atender às novas necessidades dos clientes na hora do check-out. Mas não apenas isso, já que para garantir que o cliente não abandone o carrinho, tudo precisa correr bem até que ele chegue ao caixa. 

Para proporcionar uma boa experiência de compra online, é importante pensar nos seguintes aspectos: 

  • Tecnologia: primeiramente, certifique-se de que sua plataforma de e-commerce oferece as opções de pagamento mais buscadas pelos seus clientes ou que garanta integrações com soluções populares como Paypal e Mercado Pago. Se você também tem uma loja física, pode integrar seu sistema PDV com a loja virtual para facilitar o controle de caixa.
  • Experiência do usuário: para que seu cliente confirme o pagamento, é importante que ele tenha uma boa experiência de compra. É como em uma loja física: ele precisa sentir-se bem, encontrar facilmente o que busca e ter acesso a um atendente caso tenha dúvidas. Tudo isso passa por contar com um site organizado e com design atrativo (há uma infinidade de softwares para criação de sites que podem ajudá-lo) e contar com uma ferramenta de atendimento ao cliente com opções de bate-papo ao vivo e atendimento via Whatsapp, que agilizam o atendimento.
  • Descontos: com mais lojas migrando para o online devido à pandemia, a competição também aumenta. Por isso, pense em maneiras de atrair os clientes com descontos e promoções. Use as redes sociais com inteligência, pensando numa estratégia para se comunicar com seus clientes em potencial. Ferramentas de redes sociais são grandes aliadas na tarefa.  

Segurança nas compras online preocupa consumidores

Outra questão de extrema importância relacionada aos pagamentos por internet é a segurança. De acordo com a pesquisa, 50% dos entrevistados afirmam estar preocupados ou muito preocupados com ameaças à segurança ao comprar online. Entre as principais faixas etárias analisadas, quando mais velho o consumidor, mais preocupado com a questão:  

meios de pagamento online segurança

Tal preocupação não é infundada. Segundo o Mapa da Fraude, nos primeiros seis meses de 2020 foram reportados 706,3 mil pedidos classificados como tentativas de fraude no e-commerce com pagamentos via cartão de crédito, aumento de 75% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já levantamento feito no mesmo período pela Konduto, empresa de antifraude para e-commerces e pagamentos digitais, mostrou que quase 4 de cada 100 compras pela internet foram tentativas de fraude. Tais ataques, além de prejudicar os negócios, podem colocar em risco os dados de todos os clientes.

Além de garantir a segurança de suas páginas, é importante que os negócios estejam atentos ao que os clientes falam sobre suas experiências de compra em fóruns e sites de avaliações. Isso porque a maioria dos entrevistados (75%) afirma buscar opiniões de outros clientes em sites de terceiros para verificar se uma loja é segura. 

Outra dica é deixar claro para o cliente que sua loja online se preocupa com a questão e que toma as medidas necessárias para evitar ataques, já que 57% dos entrevistados pelo Capterra afirmam verificar se o site está criptografado como medida de segurança antes das compras.      

Como compra o consumidor online 

Além de diversificar os métodos de pagamento, os consumidores estão cada vez mais migrando para dispositivos móveis na hora de comprar online, principalmente para o celular, segundo o estudo do Capterra. Quase quatro de cada dez consumidores (38%), por exemplo, afirmam já ter feito compras por sistemas de chat, como o WhatsApp.

As redes sociais também ganham protagonismo: 33% dos entrevistados afirma já ter comprado pelo menos uma vez diretamente nas redes sociais, como o Instagram.

É importante que os negócios estejam muito atentos a tal mudança. 

Para uma boa experiência de compra mobile, por exemplo, os sites devem oferecer versões exclusivas para essas plataformas. Outra opção é construir um site responsivo, que se adapta ao tipo de tela usada pelo usuário (desktop, tablet ou celular). Os principais programas para desenvolver aplicativos contam com essa funcionalidade.

A importância da preocupação com a construção da página fica evidente quando analisamos alguns dos tipos de produtos que os consumidores passaram a comprar por primeira vez depois do início da quarentena, como mostra o gráfico abaixo:

meios de pagamento online produtos

Tecnologias como a realidade aumentada, integradas às principais plataformas de e-commerce e que permitem o consumidor enxergar o produto na página dentro de um contexto real e em três dimensões, são de extrema importância para quem quer comprar um sofá ou um tênis novo, por exemplo. Recentemente, a rede de móveis e decoração Tok&Stok anunciou o lançamento de um aplicativo com essa função.  

Finalmente, os varejistas online não devem esquecer de pensar na política de entregas e, principalmente, na de trocas, questão de extrema importância para muitos dos produtos citados acima. 

Busca sistemas de pagamento? Confira o nosso catálogo!

Metodologia

Para reunir os dados presentes neste estudo, o Capterra realizou um levantamento online entre os dias 14 e 21 de julho em que ouviu 1.002 consumidores com mais de 18 anos, de diferentes faixas de renda (até 1 salário mínimo, de 1 a 3, de 3 a 7, de 7 a 15, de 15 a 20 e mais de 20) e de todas as regiões do país. Os entrevistados deveriam ser trabalhadores em tempo integral ou parcial, freelancers/autônomos, estudantes em tempo integral, aposentados ou terem perdido o emprego durante a crise. O painel contou com 50% dos entrevistados do sexo feminino e 50% do sexo masculino. Os resultados são representativos da pesquisa, mas não necessariamente da população como um todo.

Proptech: descubra a revolução no setor imobiliário

proptech

proptech

Há alguns anos, se pretendíamos comprar ou alugar uma casa, recorríamos aos classificados dos jornais, marcávamos os imóveis que nos interessavam e depois contatávamos por telefone o proprietário ou a agência imobiliária. Tudo isso mudou radicalmente desde que a proptech entrou no mercado imobiliário. Mas o que é proptech?

O que é proptech?

Proptech vem do inglês property technology e define-se como o conjunto de tecnologias inovadoras utilizadas no setor imobiliário, incluindo aquelas relacionadas a finanças, realidade virtual, automação residencial, big data, entre outras.

Neste artigo você vai saber mais sobre o que é a proptech e o que ela oferece, bem como as vantagens de utilizar este tipo de serviço.

Proptech em números

De acordo com pesquisa lançada em março pelo hub de inovação Distrito, o número de empresas do tipo atuando no Brasil aumentou 55% entre 2016 e 2020

Ainda segundo a Distrito, mais de US$ 800 milhões (cerca de R$ 4,2 bilhões) foram investidos em proptechs desde 2011, a grande maioria em três empresas, dado que ilustra que há ainda muito espaço para o crescimento desse mercado no país, com a diversificação de players e áreas de atuação. 

Quais ferramentas a proptech oferece?

Agora que já falamos sobre o que é proptech e sua abrangência, listaremos alguns exemplos práticos de uso.

Plataformas marketplace e ponto a ponto

Certamente você conhece e usa portais para a busca de imóveis. Esses sites, conhecidos como marketplaces, estão implementando cada vez mais a proptech para facilitar as relações comerciais entre locatários, proprietários e imobiliárias, permitindo, por exemplo, o envio de mensagens da própria plataforma e a realização de reservas ou visitas virtuais às propriedades.

Já as plataformas ponto a ponto (do inglês pessoa a pessoa) permitem o contato direto do proprietário com o locatário ou comprador por meio de ferramentas de mensagem instantânea, eliminando intermediários. O Airbnb é uma das empresas mais conhecidas que usa esse tipo de tecnologia.

Tours virtuais

Outra das ferramentas impulsionadas pela protech é aquela que permite visitas virtuais dos imóveis oferecidos. Algumas dessas soluções incluem uma maquete 3D da casa com fotos 360º, na qual o usuário pode visitar cada cômodo a partir do seu computador ou smartphone, algo em alta neste momento devido à situação de pandemia do coronvavírus, que está limitando movimentos e o contato físico. 

Existem várias ferramentas para a criação de modelos 3D de casas que permitem elaborar uma maquete virtual da propriedade a partir de fotos 360º ou totalmente simulada em gráficos.

Além da modelagem 3D, muitas empresas estão utilizando softwares de realidade virtual para oferecer ao usuário uma experiência única. Com eles, é possível visitar o imóvel sem sair de casa, por meio do smartphone ou usando óculos de realidade virtual. Você pode até visualizar prédios a serem construídos e, dessa forma, tomar uma decisão de investimento com mais informações sobre como seria a propriedade.

Usando big data para análise de dados

Existem várias ferramentas de big data disponíveis no mercado que podem ser usadas na área de proptech. O big data permite acessar uma grande quantidade de dados para analisar o comportamento de determinado segmento da população. São os dados que todos nós compartilhamos diariamente com as empresas digitais as quais usamos os serviços.

Essas informações são extremamente úteis ao analisar cenários futuros e identificar oportunidades antes da concorrência. Tais dados podem ajudar a identificar potenciais clientes, mostrando, por exemplo, para que determinada área está se deslocando um segmento da população com determinada renda. Também pode nos mostrar a diminuição ou aumento da atividade de compra de imóveis em uma determinada área e identificar outras com maior rentabilidade.

Plataformas de financiamento e transações financeiras

A gestão financeira é essencial em qualquer setor da indústria, e as ferramentas de gestão financeira se tornaram hoje aliadas fundamentais para qualquer PME (pequena e média empresa). As proptechs também atuam nessa área. 

Sabemos que a forma tradicional de obtenção de financiamento é recorrer aos bancos. Proptechs de crowdfunding (o financiamento coletivo), no entanto, permitem o acesso a uma rede de investidores que podem ir desde pessoas físicas a empresas.

Além disso, as ferramentas da proptech também possibilitam a realização de transações monetárias por meio de soluções conhecidas como fintechs. As principais vantagens do uso dessas tecnologias são a redução de despesas em relação às operações financeiras realizadas com bancos tradicionais, já que tudo é feito online, e a possibilidade da utilização de sistemas alternativos de pagamento, como criptomoedas, entre outros.

As principais vantagens da proptech

Depois de conhecer essa tecnologia e ver algumas das soluções que ela oferece, você pode se perguntar se realmente vale a pena implementar este tipo de ferramenta na sua empresa. Entre suas principais vantagens, destacamos as seguintes:

  • Permitir agregar valor ao serviço prestado por uma imobiliária e oferecer benefícios tanto para o usuário quanto para a empresa. Além disso, com o aumento do uso da tecnologia em diversos setores, investir nessas ferramentas está se tornando cada vez mais vital para se destacar da concorrência.
  • Facilitar o contato entre vendedor e comprador. Ao usar comunicação ponto a ponto, os intermediários são eliminados e a experiência na comunicação entre o proprietário e o locatário é aprimorada por meio de aplicativos de mensagens instantâneas.
  • Permitir visitas virtuais aos imóveis através de um anúncio publicado em um portal imobiliário acaba por ser uma grande vantagem, principalmente durante a pandemia da Covid-19, que diminuiu o número de visitas presenciais, minimizando também o tempo gasto.
  • Utilizar ferramentas de big data, que permitem analisar e obter informações valiosas para a investigação de determinados perfis, como futuros compradores. Esses dados também permitem refinar a busca de potenciais clientes com solvência financeira.

Como mostram os dados, a proptech parece ter vindo para ficar e investir neste tipo de ferramenta poderá deixar de ser uma opção e se tornar uma necessidade para as empresas imobiliárias.

Procurando um software de gerenciamento de imóveis? Confira nosso catálogo!

Como montar um site de vendas: selecionamos as ferramentas imprescindíveis

como montar uma loja virtual

como montar uma loja virtual

Nos últimos anos, o varejo online, outro nome dado para o conhecido comércio eletrônico, se tornou parte integrante da vida da maioria dos consumidores. Somente em 2019, faturou R$ 75 bilhões no Brasil.

O número chama a atenção, verdade? Sua empresa não pode, portanto, perder uma fatia deste bolo apenas porque a criação de uma loja virtual parece intimidadora e confusa.

Não sabe como montar um site de vendas? Para ajudá-lo na tarefa, criamos este artigo com detalhes sobre as principais ferramentas para configurar e  gerenciar sua página.

Varejo físico

A ideia de criar uma plataforma de vendas online pode parecer intimidadora para os varejistas de lojas físicas, seja pela falta de familiaridade com os aspectos técnicos de criação e configuração de uma loja virtual ou pela falta de recursos para investir em hardware e software.

Mas é preciso levar em conta que um site de vendas online pode trazer vários benefícios, tais como:

✔ a continuidade dos negócios em um ambiente de varejo cada vez mais digital, algo potencializado pela crise do coronavírus;

✔ o aumento de pedidos de clientes novos ou já existentes nas proximidades;

✔ atender o mercado local com serviços de entrega próprios.

A boa notícia é que um software adequado pode reduzir o esforço na criação de uma loja virtual, tornando o processo simples e fácil. Além disso, existem várias opções gratuitas e de código aberto para escolher, caso seus recursos sejam limitados.

como montar uma loja virtual tradicionais

Ferramentas tradicionais

Sistemas PDV para varejo: os softwares de ponto de venda (PDV) para varejo são a versão moderna da caixa registradora. Eles ajudam a processar pagamentos recebidos em várias modalidades, como dinheiro, cartão de crédito ou débito ou carteira virtual.

Se você ainda não usa um software de PDV, o diretório do Capterra e este artigo com opções gratuitas servirão como ponto de partida.

Software de contabilidade: softwares de contabilidade são basicamente versões digitais e automatizadas do livro-caixa de uma empresa. Eles ajudam os varejistas a controlar o faturamento, organizando as contas a receber, a pagar, etc.

Se a sua empresa ainda não usa um software de contabilidade, você pode começar visitando o diretório de programas desta categoria.

Ferramentas a serem adicionadas

Plataformas de E-Commerce

Plataformas de e-commerce ajudam a montar um site de vendas e a gerenciar as operações de varejo online. Normalmente, oferecem recursos como modelos de sites pré-configurados, lista de produtos, carrinho de compras, gerenciamento de catálogo, gestão de estoque e gestão de pedidos.

Este guia de compra traz as principais informações sobre o que as plataformas de e-commerce oferecem.

Squarespace print
Página para adicionar produtos a lojas virtuais do Squarespace (Fonte)

Para ir direto ao ponto e conferir as principais ferramentas de comércio eletrônico, visite o diretório do Capterra.

Software CRM

Softwares de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) ajudam os varejistas a gerenciar melhor as interações com os clientes, agilizando a comunicação em vários canais, como e-mails, mensagens, ligações telefônicas e redes sociais. Em geral, as ferramentas de CRM oferecem recursos como gestão de contatos e leads, acompanhamento das interações, calendário e armazenamento de documentos.

Este guia de compra traz informações detalhadas sobre os softwares CRM.

agilecrm print
Funcionalidade de criação de templates do Agile CRM (Fonte)

Se preferir ir direto ao ponto, veja o diretório de softwares CRM do Capterra.

Caso você não possa investir em uma nova ferramenta, confira nosso artigo com várias opções de softwares de CRM gratuitos e de código aberto.

Software de gerenciamento de serviços de campo

Os softwares de gerenciamento de serviços de campo auxiliam os varejistas a gerenciar a força de trabalho que atua fora do escritório. Para lojas de varejo online que atendem o mercado local, essas ferramentas são úteis para gerenciar os pedidos e garantir que os responsáveis pela entrega não percam tempo procurando o endereço do cliente. Essa categoria de softwares normalmente oferece recursos como gestão de expedição, gestão de pedidos, cobrança e faturamento.

Confira também nosso guia de compra que analisa em detalhe os softwares de gerenciamento de serviços de campo.

tasker print
Exemplo de planificação de rotas do Tasker (Fonte)

Se preferir, acesse diretamente o diretório de programas de gerenciamento de serviços de campo do Capterra e compare opções.

Outras ferramentas a serem consideradas

Sistemas de help desk

Os sistemas de help desk permitem que os varejistas respondam às consultas e dúvidas dos clientes, simplificando todas as solicitações recebidas por e-mail, telefone e pelo site em um único sistema de tíquetes. Geralmente, as ferramentas de help desk oferecem recursos como gestão da base de conhecimento, gestão de tíquetes e rastreamento de interações.

Este guia de compra detalha o funcionamento básico dos sistemas de help desk.

help scout print
Página para revisar reclamações de clientes do Help Scout (Fonte)

Você também conferir o diretório da categoria no Capterra.

Caso você não possa investir neste momento, este artigo traz diversas opções de sistemas de help desk gratuitos e open source.

Ferramentas de e-mail marketing

Os softwares de e-mail marketing auxiliam os varejistas a automatizarem seu trabalho de e-mail marketing e a se comunicarem com os clientes com mais frequência. Você pode usar a ferramenta para enviar newsletters, e-mails após cada compra ou quando um pedido é despachado. Em geral, os sistemas de e-mail marketing apresentam recursos como gerenciamento de listas, gestão de assinantes, campanhas por e-mail e modelos de e-mails.

Este guia de compra explica as ferramentas de e-mail marketing em detalhe.

mailchimp ferramentas para vendas online
Página para criar campanhas de e-mail marketing no Mailchimp (Fonte)

Para empresas que não podem investir em uma ferramenta de e-mail marketing agora, há diversas opções grátis no mercado.

Varejo online e multicanal

É provável que os varejistas online e omnichannel já tenham uma loja virtual, algum conhecimento técnico e um orçamento dedicado a esse setor. Aqui, portanto, a questão não seria tanto como montar um site de vendas, mas como melhorá-lo. 

Para estes, mudanças na loja virtual podem ser vistas como uma maneira de aprimoramento para atingir objetivos como:

✔ crescimento do negócio com investimento em novos produtos ou localidades;

✔ aquisição de novos clientes e melhoria da experiência dos já existentes;

✔ melhoria do serviço de entrega local e nacional com parceiros logísticos.

Esses objetivos são importantes para se manter competitivo no mercado em rápida evolução dos dias de hoje. Eles também se tornam essenciais para as operações em tempos de crise, como o distanciamento social da Covid-19, que fez dobrar o número de consumidores que afirmam fazer compras recorrentes online na comparação com o período pré-crise.

como montar uma loja virtual tradicionais virtual

Ferramentas tradicionais

Sistemas PDV: varejistas online e omnicanal precisam garantir que suas ferramentas de PDV aceitem pagamentos por meio de gateways online, como internet banking, carteiras virtuais e cartões de crédito e débito.

Plataformas de e-commerce: ao explorar sistemas e-commerce, tenha em mente as seguintes funcionalidades:

  • recurso de gestão de estoque que atualiza automaticamente os registros de vendas das lojas virtuais e físicas;
  • integração do software com o parceiro logístico, no caso de usar um serviço terceirizado para entregas;
  • integração com softwares de gerenciamento de serviços de campo para permitir o uso de agentes internos de entrega.

Software de gerenciamento de serviços de campo: os softwares de gerenciamento de serviços de campo permitem que varejistas online entreguem bens e serviços a seus clientes. Eles são necessários apenas quando o varejista tem uma equipe interna de entrega, pois ajudam os entregadores a planejar a rota de entrega, bem como a encontrar o endereço dos clientes.

Sistemas de contabilidade: softwares de contabilidade funcionam praticamente da mesma maneira para as lojas físicas e as virtuais ou omnicanal. Porém, lembre-se de que a ferramenta selecionada deve ser integrada ao sistema PDV.

Software CRM: as principais plataformas de e-commerce também apresentam um CRM integrado. Entretanto, ferramentas de CRM autônomas podem oferecer vários recursos avançados, como:

  • personalização automática de e-mails ou mensagens com base nas compras anteriores do cliente;
  • coleta de dados demográficos para segmentação em grupos;
  • relatórios para análise do histórico de compras dos clientes e identificação de tendências.

Sistemas de help desk: ao escolher uma ferramenta de help desk, certifique-se de que ela pode ser integrada aos sistemas de CRM e e-commerce. Isso reduzirá o tempo que os agentes de atendimento ao cliente gastam tratando de questões e dúvidas dos consumidores.

Ferramentas a serem adicionadas

Software de gestão de varejo

Os sistemas de gestão de varejo reúnem os recursos de várias ferramentas, como PDV, recursos humanos, marketing, comércio eletrônico e CRM em um único software. Eles ajudam os varejistas online e omnicanal a otimizar as operações e a compreender o comportamento do cliente. Algumas ferramentas de gestão de varejo também oferecem recursos como sugestão de vendas, que promovem up selling e cross selling de produtos adicionais durante o checkout do cliente.

Este guia de compra apresenta uma visão detalhada dos sistemas de gestão de varejo.

vendpos print
Gestão de inventário no VendPOS (Fonte)

Para conhecer opções de sistemas de gestão de varejo, visite o diretório do Capterra.

Se você não pode investir em uma ferramenta neste momento, há diversas opções grátis no mercado.

Ferramentas de automação de marketing

Ferramentas de automação de marketing auxiliam os varejistas a automatizar os processos de marketing, como rastreamento de clientes, publicação de conteúdo, segmentação de clientes e análise de marketing. Também ajudam a otimizar as operações de marketing com gestão das campanhas de marketing de ponta a ponta.

Este guia de compra traz informações detalhadas de tais sistemas.

marketo print
Exemplo de relatório de performance do Marketo (Fonte)

Se preferir, você pode ir diretamente ao diretório do Capterra para explorar as principais ferramentas de automação de marketing do mercado.

Software de experiência do cliente

Softwares de experiência do cliente permitem coletar, organizar e rastrear o feedback do cliente para que os agentes de atendimento ao consumidor possam fechar solicitações e consultas com mais eficiência. Esses sistemas ajudam a melhorar a experiência do cliente, a construir uma imagem de marca positiva e a aumentar a lucratividade. Normalmente, eles incluem recursos como gerenciamento de comentários, coleta de dados multicanal, análise de sentimentos e análise de dados preditiva.

Este guia de compra (em inglês) traz mais detalhes sobre como funcionam os softwares de experiência do cliente.

SmartKarrot ferramentas para vender online
Painel de experiência do consumidor do SmartKarrot (Fonte)

Outras ferramentas a serem consideradas

Software para vendas sociais

Os softwares para vendas sociais auxiliam os varejistas a criar envolvimento com os clientes e vender produtos por meio de redes sociais como Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest. Essas ferramentas permitem anunciar nessas plataformas, responder a consultas dos clientes e compartilhar informações relacionadas ao produto com as comunidades online existentes. Os softwares para vendas sociais oferecem ainda recursos como envolvimento dos leads, indicadores de desempenho e gestão de conteúdo.

Este guia de compra (em inglês) apresenta os softwares para vendas sociais em detalhes.

sprout social como montar loja virtual
Calendário para publicação do Sprout Social (Fonte)

Ferramentas de fidelização e recompensas

Os sistemas de fidelização de clientes ajudam os varejistas a configurar e colocar em prática programas de fidelidade para recompensar clientes regulares e incentivá-los a voltar. As recompensas oferecidas incluem vales-presente, vouchers de desconto e cashback. Esses sistemas oferecem recursos como acompanhamento de atividades e gestão de recompensas.

Este guia de compra (em inglês) traz informações detalhadas sobre os sistemas de fidelização de clientes.

loyverse sprint
Página para editar perfil do consumidor no Loyverse (Fonte)

Como montar um site de vendas: a escolha  da ferramenta

Agora que você sabe de quais ferramentas precisa, veja uma pequena lista de considerações importantes para ter em mente na hora de escolher.

Requisitos de funcionalidades: o mercado oferece uma ampla gama de ferramentas em qualquer categoria, das mais básicas às mais avançadas. Antes de selecionar uma, verifique os recursos específicos de que você precisa e compare as opções disponíveis.

Orçamento: antes de iniciar sua jornada de compra de software, saiba exatamente quanto dinheiro você pode gastar para a compra e a implementação do sistema. Ao explorar as ferramentas, atenha-se a este orçamento e desconsidere as opções que estejam fora dele.

Implantação: com a implantação baseada na nuvem, o fornecedor cuida dos aspectos técnicos e da hospedagem, e os usuários só precisam fazer o login por meio de um navegador ou aplicativo para usar a ferramenta. Entretanto, se você tiver uma boa estrutura e recursos, também pode explorar softwares on premise, instalados nos servidores da empresa.

Busca sistemas PDV? Confira nosso catálogo!

Nota: Os softwares selecionados neste artigo são exemplos para mostrar  características em contexto. Eles foram selecionados a partir de uma filtragem de soluções com mais avaliações ou mais bem classificadas na página da sua respectiva categoria. Não se destinam a ser endossos ou recomendações das ferramentas em questão.

Como fazer tours virtuais: um guia passo a passo

como fazer tour virtual

Além de permitir que os compradores visualizem projetos residenciais antes de ir fazer uma visita pessoal, tours virtuais de imóveis são uma forma de explorar a arquitetura e a decoração das residências com detalhes impressionantes. Para isso, existem os softwares para tour virtual, que, em conjunto com outras soluções para agências imobiliárias, ajudam os corretores imobiliários a expandir as vendas e aumentar o retorno sobre o investimento (ROI) das suas plataformas online.

como fazer tour virtual

O momento é propício: segundo levantamento do grupo Zap, a busca por unidades com visitas virtuais para venda ou locação cresceu 158% desde o início do isolamento social. 

Quer saber como fazer tours virtuais? Neste artigo, vamos mostrar como prepará-los para você aumentar as vendas e o ROI da sua agência.

O que é o tour virtual de imóveis?

O tour virtual de um imóvel é uma simulação visual não estática de uma propriedade que permite aos clientes em potencial visitar uma versão 3D da casa ou apartamento em questão. Trata-se de um sistema virtual de visitas a imóveis no qual o usuário pode visualizar as residências que lhe interessam de qualquer lugar e a qualquer momento.

O passeio em 3D inclui imagens estáticas, áudio e vídeos, que são organizados de forma a destacar as características do imóvel, e os usuários podem girar e caminhar em qualquer direção na residência virtual.

Tipos de tours virtuais de imóveis

Os tours virtuais podem ser de três formas: 

  • tours em vídeo
  • visitas interativas em 360º
  • passeios em 3D 

Existem diversas vantagens no uso de passeios virtuais para comercializar casas. Um potencial comprador pode visitar uma lista de imóveis virtualmente 24 horas por dia, por exemplo. Além disso, disponibilizar tours virtuais em uma lista de propriedades ajuda a gerar conversões.

Em um tour em vídeo, o corretor imobiliário normalmente fala sobre os principais destaques da casa durante um vídeo em que apresenta a propriedade. É possível criar um tour em vídeo com um smartphone, mas para um resultado mais elegante, você pode usar equipamentos digitais de ponta junto com softwares de tour virtual.

A proposta dos passeios em 3D é oferecer aos usuários a sensação de caminhar pela propriedade. Neste caso, o modelo virtual do imóvel é construído a partir de fotos panorâmicas, que juntas formam um streaming de vídeo.

Como o passeio é baseado em imagens estáticas, a transição entre um ambiente e outro é certamente menos natural do que em uma visita pessoal. Com isso em mente, os passeios em 3D funcionam como uma demonstração inicial para os potenciais compradores. Isso os ajuda a ter uma visão geral da propriedade antes de visitá-la pessoalmente.

As visitas interativas em 360º oferecem uma experiência imersiva aos espectadores. Normalmente, uma câmera especial de alta resolução é colocada no centro de cada um dos ambientes do imóvel. A câmera gira 360 graus e tira fotos de todo o espaço. O sistema carrega as imagens no software de tour virtual e adiciona texto, links e outros conteúdos interativos.

Por que os tours virtuais estão sendo procurados atualmente?

Um tour virtual é uma ferramenta poderosa para promover e vender qualquer tipo de propriedade. O conteúdo em vídeo promove engajamento e traz resultados como compartilhamentos, cliques e maior geração de leads. As agências imobiliárias estão usando os tours virtuais para aumentar, por exemplo, a visibilidade de residências de luxo, destacando suas características e alcançando mais pessoas interessadas.

A pandemia do coronavírus mudou o mundo dos negócios e como as pessoas trabalham, com um percentual sem precedentes de pessoas trabalhando de suas casas. Como vimos, a recomendação de “ficar em casa” levou os compradores a ampliar a busca de conteúdo em vídeo, o que ajudou imobiliárias a poder continuar anunciando casas e mostrando-as para os clientes em potencial. Uma das principais vantagens do tour virtual de imóveis é ser compatível com o distanciamento social e ajudar os possíveis compradores a visitar as residências que têm interesse.

Como fazer tours virtuais

Agora que já entendemos um pouco o contexto por trás dessa ferramenta, vamos ao que interessa: como fazer tours virtuais. Você pode realizar os passeios virtuais pelo imóvel de duas maneiras diferentes: com uma sessão ao vivo ou por meio de um vídeo gravado. Para melhores resultados, use uma combinação dos dois. Um tour virtual exige planejamento, divulgação e tecnologia de ponta.

Software e equipamentos de qualidade

Uma câmera panorâmica ou de 360 graus com alta qualidade ajudará você a criar tours virtuais mais atraentes para mostrar os imóveis. É recomendável usar um tripé para garantir que suas imagens e gravações fiquem alinhadas. Para oferecer tours virtuais mais eficientes, confira softwares de tour virtual com avaliações de usuários altas.

Planeje suas gravações

Faça uma lista dos principais cômodos da casa. Coloque a câmera no centro de cada um para gravar as principais características e certifique-se de capturar os destaques mais importantes de cada ambiente. Se o centro do cômodo não traz os melhores ângulos, encontre o melhor local para posicionar a câmera.

Prepare cada cômodo

Verifique se todos os cômodos estão prontos para serem filmados. Remova itens desnecessários ou que estejam atrapalhando a visão. O local deve estar limpo, arrumado e atraente. Não deixe a desorganização tirar a atenção dos potenciais clientes.

Ajuste o tripé

Para obter imagens uniformes, use um tripé. Se a câmera não incluir um nível embutido, procure um aplicativo de nivelamento para celular. Ajuste o tripé até que o nível esteja alinhado.

Fotos de teste e definitivas

Passe por todos os cômodos e faça algumas fotos de teste. Ajuste a iluminação e arrume os itens do local para obter imagens de alta qualidade. Cuidado com espelhos, janelas ou vidros, que podem mostrar a câmera refletida na foto. Depois de configurar corretamente a câmera, visite cada um dos cômodos da sua lista, posicione a câmera e tire as fotos para o tour.

Criação do tour virtual

Use um criador de tour virtual de alta qualidade para produzir o passeio a partir das fotos que você tirou. O programa de criação usará as imagens estáticas para os passeios em 3D e as panorâmicas para as visitas interativas em 360 graus. Encante o cliente criando uma experiência de usuário atrativa, com textos, áudios e outros destaques. Em geral, os usuários podem dar zoom, caminhar e mudar de direção segundo sua vontade. Veja o exemplo abaixo:

Exemplo de passeio 3D com o CloudPano, que oferece versão grátis de teste  (Fonte)

Divulgue o tour virtual

Depois de terminar de editar o tour, use o link para agregá-lo ao site da sua agência imobiliária ou nas redes sociais.

Faça upload da versão com a marca da empresa em seu site e nos perfis das redes sociais. Você pode divulgar o passeio criando um evento na rede social e colocando uma chamada no site da empresa. Inclua uma pequena pré-visualização do tour em anúncios online e faça campanhas para coletar dados de potenciais compradores.

Experiência imersiva para potenciais compradores

Os tours virtuais de imóveis propiciam uma experiência totalmente imersiva e interativa. Para entregar um passeio virtual de máxima qualidade, os corretores devem fazer um planejamento e usar o equipamento correto e um bom software de tour virtual.

Os passeios virtuais têm ajudado os corretores imobiliários a enfrentar os desafios causados pela pandemia da Covid-19, permitindo que eles continuem mostrando suas casas mesmo com a recomendação de distanciamento social.

Busca softwares para gestão imobiliária? Confira o nosso catálogo!

Nota: As informações contidas neste artigo foram obtidas de fontes consideradas confiáveis. As aplicações selecionadas são exemplos para mostrar uma característica dentro de um contexto e não pretendem ser endossos ou recomendações.

Aprende a mejorar la experiencia del cliente y aumenta los ingresos de tu empresa

Mejorar la experiencia del cliente

Mejorar la experiencia del cliente

¿Recuerdas cuando el consumidor quedaba satisfecho con solo comprar un producto? Hoy en día, ya no es así. Vivimos en la era de la experiencia y, a diferencia de los días en que reinaban los clichés de “el cliente siempre tiene la razón”, ahora la experiencia del cliente es tan importante como el servicio que se presta o el producto que se ofrece. Por ello es clave mejorar la experiencia del cliente.

Los datos de Google muestran que el 53 % de los consumidores abandonan los sitios web que tardan más de tres segundos en cargarse. Esto significa que las marcas no solo deben centrarse en la comercialización del mejor producto, sino también en la creación de un viaje de compra más sorprendente. Se trata de un diferencial competitivo que influye tanto en las ventas como en la lealtad a la marca.

Tal vez estés convencido de que tu marca ya invierte en la experiencia del cliente. Pero ha llegado el momento de preguntarse: ¿es suficiente? La verdad es que hay espacio para más, ya que es preciso tener bien alineadas, y si es posible automatizadas, todas las etapas del viaje de compra. A continuación, descubre cómo mejorar la experiencia del cliente y crear una cultura de empresa centrada en ella.

Una forma nueva de entender la relación del consumidor y la marca para mejorar la experiencia del cliente

La definición de la experiencia del cliente tiene que ver con la percepción que se crea a partir de todos los puntos de contacto que el consumidor recorre durante su viaje: desde el momento en que conoce la empresa y hace una compra hasta la posventa. En resumen: es el conjunto de impresiones que una persona genera sobre una empresa después de interactuar con ella.

Los consumidores son una parte esencial de cualquier negocio. Con un buen viaje, los clientes se vuelven leales, volviendo siempre a comprar más. Además, se convierten en embajadores de la marca, responsables de recomendar de forma espontánea la empresa a otras personas.

¿Por qué mejorar la experiencia del cliente?

Para mejorar la experiencia del cliente y crear la experiencia perfecta, los empresarios deben basarse en tres pilares:

Conocer al cliente

Define el  perfil del consumidor. Se trata de representaciones ficticias basadas en características reales. Si conoces a tu consumidor, será más probable que llegues a ellos. Otro punto muy importante es trazar el mapa del viaje de compra. Tu cliente pasa por varias etapas hasta que adquiere lo que busca, por lo que todos los puntos de contacto deben estar bien ajustados, especialmente desde la perspectiva del consumidor, por lo que es importante ponerse en su lugar.

Generar una cultura centrada en el comprador

Pon al cliente en el centro de tu empresa y escucha su opinión. Será el termómetro para que entiendas cuáles son sus necesidades y cómo puedes mejorar el servicio para él. Por esta razón, las encuestas de satisfaccióny otras herramientas de comentarios deben aparecer en todos los medios de contacto: desde la página web hasta el contacto por teléfono.

Crear experiencias increíbles

Haz que tu marca sea siempre auténtica. Hay dos puntos de interacción esenciales: facilidad del servicio/compra y personalización. En cuanto a la facilidad, el consumidor necesita encontrar de forma sencilla la información que necesita; si busca ayuda, la asistencia debe abarcar todos los ámbitos y la resolución del problema debe ejecutarse con rapidez. En cuanto a la personalización, tu empresa debe ofrecer una experiencia que resuelva las necesidades específicas de cada persona.

Pero cabe destacar que la experiencia del cliente está en constante evolución, por lo que hay que reflexionar sobre el viaje con frecuencia para que nunca quede desfasado.

Cómo construir interacciones memorables

Los principales cambios que debes hacer en el viaje de compra están en detalles del día a día. ¡Compruébalo!

El problema: Dificultades al navegar por el sitio web.

La solución: El diseño y el contenido de la página deben crearse centrados en la experiencia del usuario (UX). Todos estos elementos deben comunicar de forma muy fluida y sin crear confusión. Utiliza  herramientas UX tanto para construir estrategias como para medir resultados.


El problema: Falta de visibilidad durante el proceso.

La solución: Imagina que alguien efectúa una compra, pero no recibe ninguna notificación de que se ha completado, por lo que no puede ver que efectivamente se ha efectuado la compra. Por esta razón, existen herramientas que automatizan el envío de mensajes como software de notificaciones push y mensajes de correo automáticos , que informan sobre los pasos siguientes. Cuando el cliente está informado, se reducen las posibilidades de que busque asistencia.


El problema: Mal servicio.

La solución: El comprador quiere que el problema se resuelva rápidamente, no en cinco días laborables. En otras palabras, tu empresa debe tener un equipo de servicio de atención al cliente ágil y bien entrenado, para asegurarte de que reciba un gran servicio independientemente del canal que elija. Los sistemas de servicio de atención al cliente facilitan la interacción y ayudan a tu equipo a que sea más productivo. Otro consejo es invertir en software de chatbots , es decir en un robot conversacional que puede atender rápidamente a tu cliente.


El problema: No tener en cuenta la opinión de los clientes.

La solución: Las encuestas de satisfacción son fundamentales para conocer la opinión de tus clientes. Envía cuestionarios de evaluación y pide a los compradores que valoren la experiencia. Hay tres indicadores importantes que medir:

  • El NPS (indicador de promoción neto): muestra cuánto recomendaría un consumidor tu marca.
  • La CSAT (puntuación de satisfacción del cliente): que sirve como termómetro de la interacción.
  • El CES (indicador de esfuerzo del cliente): refleja el esfuerzo realizado por los consumidores para lograr un objetivo.
¿Quieres saber más? Visita nuestro catálogo de software de gestión de experiencia del cliente para descubrir más productos.

Pagamento com celular dispara após pandemia e promete mudar o mercado

pagamento móvel

pagamento móvel

A aposta de que a pandemia do coronavírus daria um impulso na digitalização tanto das empresas como da sociedade como um todo parece estar se concretizando. 

Depois da corrida das pequenas e médias empresas (PMEs) por softwares para o trabalho remoto (como os de videoconferência) logo no início da crise, em abril, chega a vez também dos consumidores. 

Novo estudo feito pelo Capterra com 1.002 entrevistados de todas as regiões do país entre os dias 14 e 21 de julho mostra um crescimento de 32% no volume de pagamentos frequentes por dispositivos móveis entre aqueles que possuem carteiras digitais, que permitem realizar as chamadas transações contactless, instaladas nos seus celulares ou relógios inteligentes (veja metodologia completa no final do texto).  

Carteiras digitais são aplicativos que armazenam cartões e permitem que os consumidores processem pagamentos em lojas físicas e virtuais. No varejo tradicional, as máquinas de cartão devem estar equipadas com a tecnologia NFC (sigla em inglês para comunicação por campo de proximidade) para receber os pagamentos.

Segundo a pesquisa, 46% dos que tinham esses apps instalados afirmavam pagar regularmente produtos ou serviços usando tais aplicativos antes da crise, contra 61% desde o início da pandemia. O número dos que pagam ocasionalmente usando essa tecnologia ficou praticamente estável comparando os dois períodos (veja gráfico abaixo). 

Já o número daqueles que possuem carteira digital e dizem não utilizá-la caiu 72% na comparação do período anterior à crise com o atual (de 18% para 5% dos entrevistados, respectivamente).   

Este último dado tem reflexo direto no aumento da adesão ao pagamento móvel no pós-crise: entre o total de entrevistados pelo Capterra, 67% afirmavam fazer transações contactless antes da pandemia, contra 78% atualmente. 

Por fim, 96% dos consumidores com uma carteira digital instalada pretendem seguir ou começar a utilizar o contactless após o fim da pandemia, confirmando a tendência de consolidação deste meio de pagamento.

uso carteira digital

Preocupação com coronavírus impulsiona pagamento móvel

Sem grande surpresa, a crise sanitária influenciou os hábitos dos consumidores que usam carteiras digitais na hora de pagar: 28% destes apontam o pagamento 100% sem contato como a maior vantagem desses aplicativos, atrás apenas dos que consideram mais seguro pagar com carteiras digitais do que com cartão de crédito (29%). 

Ainda que a segurança desse tipo de transação comparada aos cartões seja vista como a principal vantagem pelos que utilizam as carteiras digitais, o medo de ataques é uma realidade. 

Isso porque tanto aqueles que usam a tecnologia como os que ainda não a utilizam enxergam a questão da segurança como principal desvantagem do pagamento móvel: 70% dos entrevistados apontam as possíveis falhas de proteção que possam resultar no roubo dos seus dados como a sua principal preocupação com respeito a operações com carteira digital.

O medo do consumidor a ataques relacionados a transações bancárias não é infundado: pesquisa divulgada em junho pela Câmara de Dirigentes Lojistas em conjunto com o Serviço de Proteção ao Consumidor mostrou que em apenas 12 meses quase 9 milhões de brasileiros tiveram seu cartão de crédito clonado.

segurança carteira digital

Consumidores com carteira digital acompanham crescimento do mercado 

A rápida proliferação das carteiras digitais no Brasil parece estar tendo um efeito direto no comportamento do consumidor. 

Segundo os dados levantados pelo Capterra, 83% do total de entrevistados afirmam ter um app do tipo instalado em seu dispositivo, dado que sobe de acordo com a faixas de renda observadas, como mostra o gráfico abaixo:

pagamento móvel salário

Os dados recentes sobre o crescimento do mercado brasileiro de e-wallets são contundentes. Segundo pesquisa lançada em junho pela área de Inteligência de Mercado da Globo, o Brasil tem cerca de 600 carteiras digitais disponíveis

Atento a essa revolução nos meios de pagamento, o Banco Central (BC) lançou recentemente um projeto para modernizar o sistema financeiro nacional, o PIX, aprovado no último dia 12 de agosto e com previsão de lançamento para novembro. 

Além da promessa de aposentar as velhas DOCs e TEDs para transferências bancárias, o projeto quer unificar as transações com Código QR (outro tipo de operação que vem crescendo no Brasil) e incluir em uma segunda etapa a implantação de um novo suporte para pagamentos por aproximação.

Outra prova da expansão deste mercado no país foi o anúncio do Whatsapp de testar a realização de transações dentro da plataforma para clientes de três bancos (Banco do Brasil, Nubank e Sicredi) em meados de junho, que acabou suspensa temporariamente pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) por questões ligadas à concorrência. O Banco Central agora analisa a viabilidade do serviço.  

4 áreas essenciais para se preparar para o pagamento móvel 

Todas essas mudanças realçam a importância de os negócios estarem preparados para uma nova realidade na forma como os consumidores pagam por produtos e serviços.

Preparar o seu negócio para a nova era do pagamento móvel que se aproxima passa por diversas áreas, com destaque para as seguintes:

  • Pessoal: é preciso que os colaboradores saibam informar sobre todos os meios de pagamento aceitos e como processá-los.
  • Tecnológica: como vimos, a tecnologia para pagamentos contactless ainda não é padronizada, e o BC trabalha na questão. Os negócios devem, no entanto, buscar soluções de frente de caixa e de pagamento que se adaptem às opções mais utilizadas ou que sejam as preferidas da maioria da clientela.
  • Marketing: os clientes precisam saber que seu negócio aceita novas modalidades de pagamento e que está investindo na modernização. 
  • Segurança: como vimos anteriormente, a segurança das transações digitais é uma preocupação de grande parte dos consumidores, por isso certifique-se de que seu negócio segue todos os protocolos para evitar fraudes e informe os clientes sobre isso.

Maioria dos consumidores enxerga um futuro sem dinheiro físico

Além de traçar um panorama sobre os pagamentos com celular, o Capterra comparou a preferência do consumidor por transações em dinheiro físico com outros meios de pagamento, como cartões (incluindo o contactless).

Segundo a pesquisa, somente 18% do total de entrevistados afirmam preferir pagar usando notas e moedas (veja as demais preferência na imagem abaixo).

pagamento móvel preferidos

Ao analisar por faixas de renda, no entanto, é possível notar que os consumidores com rendas mais baixas tendem a ser menos digitais na hora da escolha do meio de pagamento preferido, como mostra o gráfico: 

pagamento móvel faixa renda

Segundo a pesquisa, 61% dos entrevistados afirmam ser mais provável comprar de estabelecimentos que aceitam pagamentos sem dinheiro físico do que daqueles que não.

Além disso, 67% dizem que se sentiriam confortáveis em uma sociedade sem dinheiro físico.

Como podemos observar, a adaptação dos negócios, com o impulso extra trazido pelo coronavírus, pode representar uma questão de sobrevivência para muitos negócios, seja no curto ou no longo prazo. É preciso, por tanto, estar preparado para a mudança na forma como o consumidor paga.

Busca sistemas de pagamento? Confira o nosso catálogo!

Metodologia

Para reunir os dados presentes neste estudo, o Capterra realizou um levantamento online entre os dias 14 e 21 de julho em que ouviu 1.002 consumidores com mais de 18 anos, de diferentes faixas de renda (até 1 salário mínimo, de 1 a 3, de 3 a 7, de 7 a 15, de 15 a 20 e mais de 20) e de todas as regiões do país. Os entrevistados deveriam ser trabalhadores em tempo integral ou parcial, freelancers/autônomos, estudantes em tempo integral, aposentados ou terem perdido o emprego durante a crise. O painel contou com 50% dos entrevistados do sexo feminino e 50% do sexo masculino. Os resultados são representativos da pesquisa, mas não necessariamente da população como um todo.

Tips to make your LinkedIn for business page stand out from the crowd

tips for Linkedin for business

LinkedIn for business has become a crucial platform for companies of all sizes, and for a b2b marketer looking to make valuable connections. 

linkedin-for-business

Launched in 2003, the social media platform became recognised as a “social network focused on people who want to find jobs” and has evolved into one of the world’s most well-known tools, especially useful for businesses.

Currently, LinkedIn’s activities for business and b2b marketer concentrates on different fronts: editorial; recruitment and selection; business generation; and marketing actions.

Just to give an idea of the platform’s scale (according to the data collected by the company itself): LinkedIn has around 50 million registered companies, and 675 million users distributed globally, of which 29 million are in the UK. That makes this country the fifth-largest platform market, followed by France (20 million). 

Therefore, creating a LinkedIn company page provides an opportunity to show a company’s brand, find talent, gain authority through relevant content, make connections with other businesses, and interact with their community.

In this post, we explore key tips for you to build a powerful brand presence on LinkedIn for business with a company page, and explain how to use such tools as marketing automation or video editing, and the production of live videos, which can help you make an impact.

How to create a LinkedIn business profile 

Registering your company on LinkedIn is easy. The first step is to create a personal LinkedIn profile and, from there, register your company. You will need to complete a form to begin, submitting all of the requested information about your business.

At this stage, you can’t be vague or skip information, as this can significantly decrease the chances of your page gaining visibility. According to LinkedIn, when companies insert all of the information required, profile views increase by 30% per week.

Pay attention to the crucial data that you must provide carefully, to ensure your profile is relevant on your business page:

1- URL definition: Keep the same username that you’ve utilised on other social networks. By doing so, you maintain consistency and avoid confusing your customers.

2- Choosing categories: It’s very important that you choose the right categories to which your business belongs, both those related to the size of the company (small, medium, or large) and your company’s area of expertise. This will help users find your business when using search filters.

3- Set a tagline: For this field, choose a phrase that reflects the essence of your company. When your business appears on Google searches, part of the tagline is also displayed, so the first few words are crucial to help users identify your brand quickly.

4- Add hashtags: LinkedIn has a Hashtags field for you to enter terms related to your business. You can even add a hashtag of your own, but it’s important to insert some hashtags that associate your brand with existing terms, to boost your visibility.

Another important aspect is the visual content, which must have a good resolution to ensure the highest standard of visibility and avoid any accusations of amateurism. For a good level of visual quality, the logo should have the following dimensions: 300 x 300 px, while the cover image must be 1584 x 395 px.

When adding brand information on your LinkedIn business page in the Overview, describe your mission, objectives, and values, as well as the products and/or services your business provides. Always continue the tone of voice that your brand uses to communicate, for consistency.

Take advantage of keywords, as they can help your company gain prominence in the LinkedIn search engine. With the help of SEO tools, it’s possible to list relevant keywords for each segment.

How does LinkedIn for Business work?

LinkedIn offers a complete range of services for Company Pages, all based on the social network’s purposes mentioned at the beginning of this text.

To choose which one to use – after all, except posts, content suggestions, talent solutions, stories, analytics, and live content, all other features are paid – you’ll need to identify which strategy your brand will follow on this social network.

If the idea is to strengthen your marketing strategies, just use the features that allow you to produce and share content, and that are based on the following principles:

  • Posting and sharing:

    Like any other social media platform, LinkedIn allows you to share textual and audio-visual content, with options for emojis, hashtags, external links, and mentions of other users or companies. With so many resources, the best thing to do is diversify the messages to attract followers’ attention.

  • Content suggestions:

    One way to discover the most engaging topics for your company’s audience is to consult the Content Suggestions tool. Using segmentation filters, you can gain great insights into different subjects. You also have the opportunity to estimate the audience size for a given topic. This is an excellent thermometer for you to identify which types of content are aligned with your product or sector, and to achieve more engagement when they’re published.

However, if the focus is on supporting the recruiting team, it’s worth taking advantage of the talent solutions search resources.

Below, we list all the features for business profiles offered by LinkedIn.

Main features 

Check out our summary of the main features available on LinkedIn, and how to use them.  

LinkedIn Stories

Brazil was the first market in the world to receive the stories feature on LinkedIn when it launched in April 2020. Today, Australia, France, Netherlands, and the United Arab Emirates already have access to the feature, which is being gradually released. Despite this, only selected Company Pages can use the functionality, as it is still in the testing phase.

The content published in this tool (which can be in the form of an image or video) is available to all followers for 24 hours. Each video has a maximum duration of 20 seconds, and the dimensions used must follow the following pattern:

Videos: 1080 x 1920 px, 30 Fps, Square pixels, H264, MP4 files; 9:16 full portrait

Images: 1080 x 1920 px, JPG/PNG; 9:16 full portrait

Check out our list of software to create videos that can also help you produce your stories.

LinkedIn Lives

LinkedIn Lives work differently. That’s because companies can only broadcast live video content to their followers if LinkedIn approves. For that, it’s necessary to submit a form to the platform, which may or may not be authorised.

Check out our list of streaming software that can also help you to make your live content.

LinkedIn Page Analytics

This feature allows you to evaluate the performance of your Company Page. When analysing the available indicators, you learn about what types of content are most effective in your engagement strategy. It is also possible to get to know your followers and visitors better. 

Check out our list of web analytics software that can also help you when evaluating results.

LinkedIn Sales Navigator

This is a sales tool focused on the B2B market. Using this, salespeople can search for profiles of potential customers or decision-makers and contact them.

Check out our list of sales automation software that can also help you sell.

LinkedIn Recruiter

LinkedIn Recruiter is the tool focused on finding talent on LinkedIn. If the company’s focus is hiring, this tool is ideal for you to search using advanced filters. 

Check out our list of applicant tracking software that can also help you find candidates.

LinkedIn Ads

LinkedIn ads are a way to increase the number of followers your page has, bring it to wider attention, generate more leads, or promote an event. By segmenting the audience by job or function, the ad appears on the timeline or directly in the target audience’s inbox – it’s up to you to define the approach.

Check out our list of graphic design software that can also help you create ads.

Career Pages

Career Pages is an option offered by LinkedIn to make the business page even more comprehensive. It has some more in-depth features, such as the Daily tab, in which the company can show a little more of its culture and take followers behind the scenes to see its daily routine.

In addition to this, it also features the Jobs tab, in which the company can publish job opportunities, inviting interested parties to send their application information.

Check out our list of project management software that can also help you manage all your tasks.

Tips for managing your business page on LinkedIn

It’s no secret: relevance on LinkedIn is gained by making posts containing unique and exclusive content frequently, and exploring the different formats and possibilities the platform offers. Below, we help you understand how to diversify your message and win the attention of followers.

Create a content production routine

The LinkedIn algorithm prioritises the publication of relevant content, to increase the credibility of a Company Page. To organise yourself, define at least three content editorials: for example, this could be a day dedicated to inspiring phrases, another to industry news and, finally, another to images from behind the scenes of your company. Plan these editorials in a publication calendar. 

Once you have a broad view of the type of content you must create, it will be easier to write.

If you need help with making the editorial calendar, you can use a marketing automation software that allows you to distribute these texts on the days you choose to post. Another advantage of using these tools is that you will no longer have to worry about accessing LinkedIn to post your content, as the software will do it for you according to the day and time you stipulate.

Maintain your image

LinkedIn is not just about the text – the visuals are vital, as well. Here, the difference is that you can’t use selfies (as you may prefer on other social channels). Instead, use images of the team and pictures of the company. It’s crucial that they’re good quality and mature, as their content can affect how people view your business’s credibility and professionalism.

You can also think about creating videos, even if they’re made from photos or recorded with a mobile phone. Today, there are video editing programs that allow you to easily create content for publication on social media platforms.

Another fairly common practice on LinkedIn is to insert logos or frames into photos using design software. In addition to differentiating your content from those published by other companies, this shows that your business understands the power of visual language. After a while, people will be able to identify your brand at a glance. 

Practice your social selling

If there’s a platform that gives you the opportunity to practice social selling (or relationship selling), it’s LinkedIn.

Whether using the Sales Navigator feature or manually expanding your connections, your sales team can use LinkedIn and your profile search tool to get in touch with key professionals from other companies and approach them to present your service/product. As a result, they can increase sales.

Even if you already have CRM software – or intend to use this solution to manage customer relationships and store sales data – it’s possible to integrate it with Sales Navigator, which will share information from the contacts created through LinkedIn.

Build a powerful team 

A significant part of the recruitment work is done by human resource automation software. Using this type of platform, your company’s HR can easily manage the hiring process, analyse job-specific skills, and select the right candidates.

If you already use recruitment and selection software (ATS), you can associate it with Recruiter by viewing LinkedIn candidate information on your own ATS. When combining one tool with the other, your HR team has more information to help them choose the candidates that can help your company grow. This reduces the risk of hiring the wrong people to fill important roles.

what to and not to post on your linkedin page

It’s time to advertise your Company Page

With the page built and running at full steam, now’s the time to be known and gain more followers. 

The fastest and most immediate way to increase your number of followers is to invest in advertising on LinkedIn Ads – but remember that you must invest a significant amount to achieve good results. However, the investment will pay off when you start to notice a real difference in your visibility and engagement.

However, if you’re not in a hurry and want to save money at this stage, you can take other actions without necessarily incurring an expense. The first thing is to add your Company Page profile to your company’s email signature – all employees must have that same signature. Just insert the LinkedIn logo next to the logo of other social networks if you already use this subscription format. It’s a simple technique but it can make a positive impact.

Another way to increase your range and attract more followers is to encourage your employees to add your company to their profiles as professional experience. LinkedIn promotes interactions between users when an employee starts working at a certain company or completes a work anniversary cycle, which allows your page to gain indirect visibility.

Besides, whenever adding content, especially that which includes photos of events with professionals from within or outside your team, take this opportunity to tag their profiles. This way, you’ll promote interaction and your content will gain more likes. It’s a simple process but it can make a positive impact. Whenever someone recommends or reacts to your content, LinkedIn shows the activity on the users’ timeline, making your company even more visible to third parties.

Finally, take advantage of LinkedIn’s option to invite members of your own network and invite your first-degree connections to follow your business. 

These tips will help you boost your Company Page’s engagement and gain visibility on LinkedIn.

Are you looking for marketing automation software? Check out our catalogue!

 

Livraison de repas à domicile : un guide pour les restaurateurs

De la cuisine à la table du client, le trajet s’est allongé. Et ce n’est pas parce que les restaurants sont de plus en plus grands, mais parce que la livraison de repas à domicile fait désormais partie intégrante de la routine du consommateur lambda.

Cette tendance est appuyée par des chiffres : selon le rapport DATAlicious publié en décembre 2019, la livraison de repas ne cesse de croître dans l’Hexagone. En 2018, 160 millions de commandes ont été passées sur le territoire français via Just Eat.

Du jour au lendemain, de nombreux restaurants se sont vus contraints à baisser le rideau en raison de l’épidémie de COVID-19 et la livraison de repas à domicile est devenue pour bien des établissements un service clé pour se maintenir à flot.

Capterra a créé un guide spécial pour vous aider à mettre sur pied votre propre service de livraison de repas à domicile. Voici les points abordés au long de cet article :

  1. Communiquer avec ses clients
  2. Utiliser les réseaux sociaux
  3. Adapter son menu
  4. Choisir ses fournisseurs
  5. Choisir ses options de paiement
  6. Organiser les livraisons

1. Maintenez une communication active avec les clients

Imaginez que l’un de vos clients réguliers décide de passer commande auprès de votre pizzeria. Après avoir consulté vos horaires d’ouverture sur Google Maps, il vous appelle et tombe sur votre boîte vocale.

Inutile de mettre sur pied un service de livraison à domicile si les informations mises à disposition du consommateur sont contradictoires. 

Dans tous les canaux par lesquels vous fournissez vos services, assurez-vous de publier des données à jour :

  • Jours et horaires d’ouverture
  • Numéro de téléphone de contact
  • Prestations offertes : repas sur place, livraison ou à emporter
  • Modes de paiement disponibles
  • Zone de couverture des livraisons

Les restaurants se doivent d’avoir un profil Google My Business, premier point de contact de nombreux clients avec votre restaurant. Si votre présence en ligne est récente et que votre entreprise n’apparaît pas encore sur Google, misez sur les réseaux sociaux. Nous abordons ce point plus loin dans l’article.

Vous devez également faire preuve de proactivité en informant le consommateur quant à la façon dont il doit consommer son plat. Peut-il être mangé immédiatement ou est-il nécessaire de le réchauffer ? S’il peut être chauffé, est-il possible de le faire dans l’emballage ? Fournissez toutes les informations nécessaires pour garantir une expérience gustative optimale.

En cette période de crise sanitaire, il est important de communiquer au client les mesures de précaution à prendre lors de la réception de la commande : port du masque et maintien des distances de sécurité avec le livreur.

S’il existe une possibilité de proposer une “livraison sans contact”, où les livreurs laissent la commande à un endroit prédéfini, communiquez cette option au client.

2. Tirez parti des réseaux sociaux

Les réseaux sociaux fournissent un espace où diffuser des actions promotionnelles et encourager les clients à venir et à revenir. Que vous ayez un restaurant avec pignon sur rue ou uniquement en ligne, une chose est sûre : pariez sur les médias sociaux pour obtenir de la visibilité.

Les plateformes comme Facebook, TikTok et Instagram sont très visuelles ; profitez-en pour y publier des photos et des vidéos de vos plats.

Pour profiter au maximum de ces outils, utilisez un logiciel de community manager pour automatiser les campagnes en ligne et en apprendre plus sur vos abonnés. Vous pouvez y glaner des idées grâce aux informations générées par les rapports inclus dans ces outils.

Une autre astuce consiste à utiliser des hashtags dans vos messages. Ils augmentent la visibilité de vos publications et amplifient la voix de votre marque. Le nom de votre restaurant doit bien sûr toujours figurer dans vos mentions, mais aussi votre ville, votre quartier, le type de cuisine, le nom du plat en question, ainsi que des termes associés selon le type de clientèle que vous ciblez : #gastronomie, #hautecuisine, #pausegouter, #miam… Adaptez-vous à votre public.

Une fois votre présence sur les réseaux sociaux établie, ne négligez pas votre image de marque. Répondez toujours aux commentaires et aux évaluations, quelles qu’elles soient, pour entretenir la relation avec votre public.

Les commentaires laissés sur les réseaux sociaux représentent le baromètre de votre réputation. Il est important de connaître les avis laissés par vos clients pour savoir ce qui peut être amélioré et ce qui est apprécié.

3. Adaptez votre menu pour la livraison à domicile

Il est important de savoir que vous ne pourrez pas proposer tous vos plats en livraison : selon leur composition ou leur mode de préparation, certains plats, s’ils étaient proposés à la livraison, arriveraient ratatinés, froids ou déconstruits chez le client.

Si besoin, créez des plats faciles à transporter et/ou à réchauffer.

Lorsque vous définissez un menu pour la vente en ligne, tenez compte de ces points :

  • Étudiez la concurrence : que propose-t-elle et à quel(s) prix ?
  • Pensez à des produits qui mettent en valeur votre restaurant.
  • Faites la liste de vos plats les plus vendus.
  • Vérifiez lequel de ces plats pourrait affecter le temps de livraison.
  • Analysez votre capacité de production afin de ne pas compromettre la livraison.

Une autre façon d’élaborer votre menu est d’utiliser les informations fournies par votre logiciel de gestion de restauration. Vérifiez les matières premières disponibles et créez des recettes à partir des aliments que vous avez déjà en stock.

Si vous n’avez pas encore automatisé votre inventaire, faites-le le plus tôt possible. En effectuant un contrôle régulier des stocks, vous bénéficierez d’une visibilité sur les entrées et sorties de produits et sur la date de péremption des aliments. De plus, vous connaîtrez le bon moment pour faire de nouveaux achats et éviterez les pertes et gaspillages.

Consultez les options des systèmes de contrôle des stocks.

Pour fixer le prix des plats, vous pouvez utiliser un logiciel de coût des aliments afin de trouver le juste milieu, gérer le coût du menu et maximiser votre marge bénéficiaire.

Nous savons tous que de nombreux consommateurs seront touchés économiquement par la crise sanitaire. Il sera donc utile de repenser votre approche en prenant en compte la réalité des budgets.

En période de quarantaine, vous pouvez par exemple proposer un menu à prix spécial pour encourager la consommation, même à domicile.

Attention, plus votre menu est long, plus votre inventaire sera complexe à gérer. Si vous ne voulez pas vous lancer dans ce genre de dépenses, misez sur une carte de plats courte. 

4. Recherchez des partenariats

De bons fournisseurs sont indispensables afin que les restaurants puissent offrir de bons plats et un service impeccable. Lorsque vous choisissez vos partenaires commerciaux, tenez compte des points suivants :

  • Étudiez la réputation de l’entreprise.
  • Demandez des certificats d’origine ou d’autres provenant d’organismes de surveillance sanitaire.
  • Analysez la capacité à fournir des produits pour répondre à votre demande.
  • Établissez un prix équitable avec une assurance qualité.
  • Testez les fournisseurs possibles pour voir s’ils proposent le même niveau de service.

Dans le secteur de la restauration, il est important d’avoir plus d’un fournisseur, en se concentrant sur ce que chacun peut offrir de mieux.

Cela s’applique également aux matières premières de même type. Ayez toujours un plan B pour les fournisseurs. En cas de pénurie ou de problème d’acheminement, vous pourrez toujours vous rabattre sur un fournisseur de même qualité.

Quand on livre des repas à domicile, il faut bien sûr penser aux emballages. Un bon emballage protégera non seulement la qualité du produit, mais garantira également une expérience client satisfaisante.

Adaptez-vous au contenu : si les pizzas ont leur boîte en carton traditionnelle, les soupes vont quant à elles dans des boîtes parfaitement hermétiques, les desserts peuvent être glissés dans des petites boîtes en carton et les glaces, dans des pots adaptés au congélateur.

Actuellement, en raison de la fermeture temporaire des restaurants, le souci de nombreux établissements est également de pouvoir honorer leurs engagements avec leurs fournisseurs.

Si la crise vous affecte directement, contactez vos fournisseurs par ordre d’échéance et, si nécessaire, demandez une remise, de meilleures conditions de paiement, une renégociation de la dette ou une prolongation du délai de paiement.

5. Choisissez des options de paiement pertinentes

En proposant différents moyens de paiement disponibles sur le marché, vous élargissez votre clientèle. De nouvelles méthodes voient régulièrement le jour : restez informé pour ne rien manquer des dernières évolutions en matière de règlement.

Bien que l’idéal soit de proposer le plus grand nombre d’options possibles, les coûts de transaction élevés rendent cette solution irréalisable. Identifiez les méthodes que vos clients utilisent le plus et celles qui correspondent le mieux à votre entreprise.

Éliminez les moyens de paiement peu utilisés (chèques, par exemple) et pensez à ajouter de nouvelles options si vous voyez que votre clientèle en est friande (PayPal, Apple Pay…).

Vous trouverez ci-dessous une liste des principaux modes de paiement actuellement utilisés pour la livraison aux restaurants :

Cartes de crédit et de débit

Le paiement par carte de crédit et de débit peut être effectué de deux manières : par une plateforme de paiement (portail ou gateway) sur votre site ou via des terminaux de paiement physiques.

Si vous pensez louer des appareils portables pour que vos clients puissent payer à la livraison, identifiez ceux qui offrent des fonctionnalités adaptées au téléphone portable, comme le paiement sans contact ou par code QR, afin que le consommateur puisse utiliser un porte-monnaie numérique pour effectuer la transaction.

Pensez aux tickets restaurant : de nombreux clients passent leurs commandes lorsqu’ils sont au bureau et voudront utiliser leurs avantages sociaux pour régler leur facture. Certaines plateformes comme Just Eat vous permettent de proposer cette option si le client paie en ligne.

Portefeuille électronique

Les porte-monnaie électroniques ou e-wallets permettent de réaliser des transferts en ligne facilités par un service de paiement numérique.

Il n’est pas nécessaire d’acquérir une machine, car la transaction est effectuée par l’intermédiaire d’un téléphone mobile ou d’une tablette. PayPal, Google Pay et Samsung Pay font partie de ces solutions modernes.

Les frais sont généralement moins élevés que ceux facturés par les opérateurs de terminaux. Par conséquent, beaucoup de ces sociétés sont en mesure d’offrir des avantages aux clients (remise ou cashback) dans le cadre d’une stratégie de fidélisation.

Paiement en espèces

Le paiement en espèces reste l’un des modes de paiement les plus démocratiques. Il est donc important de continuer à offrir cette modalité même avec l’émergence de nouveaux moyens de paiement.

En choisissant le mode de paiement en espèces, n’hésitez pas à indiquer à vos clients un plafond pour limiter les risques d’erreur pour les livreurs. Payer une commande de 17,95 € avec un billet de 100 € ne facilitera pas la tâche à vos livreurs.

Depuis le début de la crise sanitaire et du confinement en mars dernier, la plupart des restaurants privilégient les modes de paiement en ligne afin que les livreurs et les clients n’aient pas besoin d’être en contact.

6. Planifiez au mieux vos livraisons

Si vous pouviez demander à dix propriétaires de restaurant par où commencer pour monter un système de livraison de repas à domicile, leur réponse serait unanime : ils vous conseilleraient tous d’étudier le fonctionnement du système de livraison, car il s’agit d’une étape très importante de l’opération.

C’est une chose de préparer un plat et de placer une assiette en face du client, c’en est une autre de l’acheminer à des kilomètres de votre restaurant.

En quelques années, certaines applications de livraison de repas à domicile ont conquis les smartphones du monde entier. Recevoir son déjeuner ou dîner à la maison (ou au bureau) n’a jamais été aussi facile.

La façon la plus simple de comprendre le fonctionnement de ces applications est de réfléchir au concept de marché : une plateforme qui propose plusieurs marques permet au client de segmenter sa recherche selon différents critères.

Pour que le restaurant puisse livrer par le biais de l’une de ces applications, il faut choisir une formule payante et créer ensuite son menu en ligne. Ces outils prennent en charge le marketing, le flux d’utilisateurs, le paiement et les livraisons, selon l’abonnement choisi. Le seul hic est qu’ils facturent des frais de livraison qui peuvent parfois s’avérer élevés pour une petite entreprise.

Il est possible de créer votre propre structure de livraison en embauchant des livreurs dans votre équipe, ou bien en activant un réseau de freelances ou une entreprise tierce pour répondre à la demande.

Pour organiser correctement votre secteur de livraison, l’idéal est d’utiliser un système de livraison qui organise cettte opération en tâches telles que le service à la clientèle, la préparation des commandes, l’optimisation des itinéraires et le regroupement des commandes.

Lancez-vous !

Ces étapes peuvent paraître nombreuses, mais le processus pour créer un système de livraison de repas à domicile est grandement facilité à l’aide des logiciels adéquats. Il vous faudra sûrement tester plusieurs méthodes avant de trouver la formule adaptée à votre restaurant et à l’expérience client que vous souhaitez offrir. Guettez les avis en ligne et tenez-en compte pour proposer dès que possible les meilleurs plats livrés de votre ville et faire fructifier votre activité !

Vous souhaitez en savoir plus ? Consultez notre catalogue de logiciels de livraison à domicile pour découvrir davantage de produits.

Self-service BI: conheça as vantagens de usar este tipo de solução

self service bi

self service bi

O self-service BI é um tipo de sistema de análise de dados que ganhou força no mercado pela autonomia que dá aos usuários não técnicos. O nome “self-service” vem justamente dessa característica autossuficiente que permite a extração de diferentes relatórios, de acordo com os indicadores estabelecidos pelo usuário.

Usando uma ferramenta de BI, seu time não precisará ser phD em ciência de dados para definir parâmetros, analisar dados e gerar relatórios, permitindo melhorar estratégias e implantar uma cultura data-driven. Segundo a Gartner,  a prática de análise de dados (conteúdo em inglês) estará no centro das estratégias da grande maioria das empresas nos próximos anos.

Em um cenário sem programas de self-service BI, o que acontece é a total dependência da equipe de TI para a extração de qualquer informação. Nele, o profissional de dados, após receber uma solicitação, tem de buscar as informações em fontes específicas, limpar esses dados e criar um modelo, para só então apresentá-los em dashboards ou relatórios. Pense que, para chegar até o setor que interessa, podem ter passado dias ou semanas.

Mesmo que o uso dessa ferramenta reduza a dependência de profissionais de TI, não quer dizer que a presença deles deixe de existir. Ao contratar uma ferramenta de visualização de dados, cabe ao profissional de TI conectá-la a uma fonte de dados para que se filtrem corretamente as informações, de forma que cada setor possa colher os resultados que interessam.

Entendendo o BI tradicional e o self-service BI

Uma das diferenças mais significativas entre BI tradicional e self-service BI é que o segundo se tornou uma espécie de democratização do acesso das empresas às ferramentas de análises de dados.

Isso porque quando as ferramentas de BI começaram a surgir no mercado, elas exigiam uma estrutura complexa de TI –além de altos custos de manutenção e a necessidade de investimento em mão de obra especializada– para funcionar de maneira adequada. Nem todas empresas podiam bancar essa estrutura, o que fez com que os sistemas ficassem restritos apenas às grandes companhias e multinacionais.

Com o surgimento de softwares de self-service BI, mais empresas puderam começar a usá-los, especialmente as pequenas e médias (PMEs) e as startups, graças à interfaces descomplicadas, à facilidade de implantar os sistemas e ao valor dos softwares. 

BI tradicional

self service bi grafico

E então… quais as vantagens de adotar um sistema de self-service BI?

O maior destaque do self-service BI é a possibilidade do usuário entrar na plataforma e começar a usar os dados reunidos segundo as necessidades de um setor. Ou seja, a existência deste software possibilita os membros da equipe filtrar, analisar e visualizar dados, extraindo insights sem depender de especialistas em TI.

Por exemplo, uma equipe de marketing pode fazer o acompanhamento diário dos leads que entraram de um dia para o outro, e por qual fonte, para definir estratégias de conteúdo para atrair ainda mais leads. Esse planejamento pode acontecer no ritmo do próprio setor de marketing, sem que seja necessário esperar os indicadores chegarem de outro departamento.

Os sistemas do tipo, no geral, possuem uma interface bastante intuitiva, facilitando para o usuário a busca de informações que ele necessita. Outra vantagem é que contam com uma baixa curva de aprendizado, o que permite os usuários dominarem a ferramenta rapidamente.

Por fim, grande parte das ferramentas de self-service BI são baseadas na nuvem, o que permite acesso de qualquer lugar –algo essencial para equipes remotas ou gestores que frequentemente não estão alocados na empresa– e poupa também custos de infraestrutura.

Mas há algum lado ruim na implantação de self-service BI?

Provavelmente até aqui você deve estar pensando que o self-service BI é formado por ferramentas sem quaisquer defeitos. Não é. 

A verdade é que também há pontos negativos em torno da tecnologia, caso a empresa não saiba usá-la corretamente. A maioria deles não está associado ao desempenho das ferramentas em si, mas sim a práticas de mau uso, que, no final, impedem a implantação de uma cultura baseada em dados. Confira abaixo os principais: 

Falta de planejamento

Para não sair dando tiro no escuro, se você vai contratar uma ferramenta de BI, tenha um propósito ou uma estratégia de uso. Caso contrário, dificilmente você vai tirar proveito dos seus dados –e em BI, “seguir qualquer caminho” não é uma máxima que levará a algum lugar.  

Em um contexto em que não se possui uma estratégia clara, acontece bastante de se acumular relatórios que dizem a mesma coisa, mas com visuais diferentes, gerando uma sobrecarga de informação e uma confusão de interpretação.

Falta de organização interna

Também pode acontecer o caso de um líder responsável por fazer o acompanhamento dos dados sair da empresa e deixar como legado uma série de relatórios configurados, que posteriormente passam a não fazer mais sentido para a equipe, pois a estratégia mudou. Se ninguém atualizar a ferramenta, os relatórios continuam visíveis e acabam só confundindo, sem que ninguém os acompanhe.

É comum ainda que muitos usuários tenham acesso liberado à ferramenta e, por isso, passem a criar relatórios duplicados nas bibliotecas, o que também confunde outras pessoas que depois vão acessá-los.

Independentemente de qual for o cenário, é sempre necessário que a ferramenta esteja bem configurada, especialmente a respeito de conteúdos que devem estar em modo público e/ou privado, o que também é uma medida de segurança da informação.

Falta de atualização

Atualizar a ferramenta frequentemente ajuda na precisão dos resultados. Se não forem realizadas checagens constantes, os softwares de self-service BI emitem dados errôneos que tardam para serem identificados –ou até mesmo não são identificados. Mesmo que a equipe de TI não esteja presente na análise do dia a dia, é importante que ela fique atenta para observar se a ferramenta está performando corretamente.

Exemplos de self-service BI para você escolher o melhor programa para sua empresa

Uma boa plataforma de self-service BI se caracteriza, entre diversas funcionalidades, pela facilidade e simplicidade no trabalho de extração e análise de dados. Como mencionamos, o foco também está nos usuários não técnicos. Abaixo separamos uma seleção delas. Confira!

Power BI

Power BI screenshot
Com visualização interativa, Power BI pode ser usado por usuários inexperientes (Fonte)

O Power BI é uma ferramenta da Microsoft que fornece uma visualização interativa para fazer análises, sem exigir conhecimentos aprofundados em BI. Constantemente a empresa oferece otimizações graças aos feedbacks que colhe no mercado, disponibilizando novas funcionalidades que atendem demandas reais das empresas.

Tableau

Tableau screenshot
Tableau de destaca por ser compatível com os mais variados tipos de dados (Fonte)

O Tableau oferece uma visualização bastante clara dos dados, independentemente do tipo e do formato das informações. Esta ferramenta é compatível com os mais variados tipos de dados, além de oferecer a possibilidade de se conectar com um grande volume de informações.

OriginPro

OriginPro screenshot
Programa é voltado para a análise de dados para cientistas e engenheiros (Fonte)

O OriginPro, voltado para cientistas e engenheiros, possui flexibilidade para criação de gráficos e uma vasta gama de opções de tamanhos, resoluções e formatos. O programa, que possui uma interface mais simples que os outros desta lista,  precisa ser instalado no computador.

Sisense

Sisense screenshot
Sisense se destaca por oferecer interface descomplicada, o que ajuda iniciantes (Fonte)

O programa investe no design e em oferecer uma interface descomplicada, que pode beneficiar especialmente quem não for especialista em dados. Fora do campo da usabilidade, a empresa é conhecida por seu ótimo atendimento ao consumidor.

Busca uma ferramenta de BI? Confira nosso catálogo.

Metodologia

Para serem citadas neste artigo, as ferramentas deveriam possuir uma avaliação geral de pelo menos 4,5/5 e mais de 100 avaliações de usuários no diretório do Capterra. Além disso, as ferramentas não podiam possuir nenhuma nota menor do que 4/5 nos requisitos avaliados pelo Capterra: praticidade, atendimento ao cliente,  recursos e relação qualidade/preço.